Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Rectangle 212 + Rectangle 212 + Rectangle 212 Created with Sketch. Slice 1 Created with Sketch Beta. > Slice 1 Created with Sketch Beta. > Slice 1 Created with Sketch Beta. > Slice 1 Created with Sketch Beta. > Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Twitter Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta.

7 Oct 2021

Internet das Coisas e Indústria 4.0: grandes transformações que andam lado a lado

A IoT (Internet of Things ou Internet das Coisas) é um dos pilares da Indústria 4.0. Ambos os termos não são nomes de tecnologias, mas envolvem conceitos abrangentes que consistem em duas grandes transformações tecnológicas que têm evoluído lado a lado.

A evolução histórica da Internet

Da mesma forma que a Indústria 4.0 representa a quarta revolução industrial, iniciada há mais de 200 anos e, desde então, marcada por grandes transformações tecnológicas, a Internet das Coisas não pode ser entendida como uma nova tendência. Ela se trata de uma quarta fase da revolução da Internet começada três décadas atrás, em meados dos anos 90, e que vem transformando o mundo dos negócios e a forma como todos nós vivemos, tornando-se quase indispensável na atualidade. Nesse sentido, a IoT também é vista como a Internet 4.0 e, portanto, é preciso que a entendamos não como um modismo ou mais uma tecnologia que surgiu recentemente, mas sim a continuidade de uma transformação cujo impacto em nossas vidas tem sido inegável e que tende a se aprofundar ainda mais nos próximos anos.

A primeira fase da Internet começou revolucionando a forma como acessamos conhecimento, informação e entretenimento. A segunda onda mudou a maneira pela qual as empresas e pessoas realizam suas transações diárias com outros sistemas, sejam elas financeiras (e-banking) ou comerciais (e-commerce). Na terceira onda, tivemos a entrada das pessoas nas chamadas redes sociais, em que todos nós deixamos de ser apenas consumidores passivos de conteúdo e passamos também a ser criadores ativos no mundo digital.

Desse modo, nesta quarta onda, a Internet deixa de estar limitada aos nossos computadores e smartphones por estar presente em todas as atividades do nosso dia a dia. Seja um automóvel, um sensor em uma fazenda, um semáforo de trânsito, um eletrodoméstico em nossas casas ou uma máquina em um processo industrial. O impacto dessa quarta fase da internet já pode ser sentido, mas ainda não é possível ser mensurado por completo. Será, com certeza, muito maior do que nas suas fases anteriores. Assim como ninguém conseguiu prever o surgimento de grandes inovações causadas pela Internet, como os aplicativos semelhantes ao Uber e Airbnb, surgirão, nos próximos anos, outras novidades habilitadas pela Internet das Coisas que nem sequer conseguimos imaginar.

Leia também: 10 anos da indústria 4.0: tecnologia aliada ao processo de fabricação

O impacto da Internet das Coisas na Transformação Digital

A Internet nas suas três primeiras fases digitalizou diferentes setores da economia, transformando profundamente as áreas da comunicação, entretenimento, varejo, serviços financeiros e, mais recentemente devido à pandemia que ainda estamos vivendo, a forma como trabalhamos e aprendemos. É a tão comentada Transformação Digital que está na agenda de todos os executivos do país.

Como a IoT é um dos pilares da Indústria 4.0, é por meio dela que a Transformação Digital chega a este mundo. Com isso, a quarta revolução industrial é marcada por uma hiperconectividade sem precedentes causada pela Internet Industrial (ou IIoT, Industrial Internet of Things). Esta, por sua vez, tem sido impulsionada pela queda exponencial do custo de diferentes tecnologias, como os sensores industriais; as novas redes de comunicação de dados sem fio que incluem redes do tipo LPWAN (Low Power Wide Area Networs), BLE (Bluetooth Low Energy) e a tão esperada tecnologia 5G; a computação em nuvem e a inteligência artificial (IA).

Não se trata apenas de espalhar sensores pelas fábricas para coletar dados. A digitalização consiste em conectar sistemas existentes há muito tempo nas empresas (como os sistemas de engenharia, a automação industrial e os sistemas de gestão) e também pessoas que antes não se interligavam. Essa hiperconectividade causada pela digitalização do mundo industrial chegou principalmente para aumentar a eficiência operacional, uma vez que os dados gerados por sensores e sistemas interconectados podem ser usados para a tomada de decisões mais assertivas, rápidas e até mesmo de forma preditiva (antecipando problemas que ainda não ocorreram). Portanto, a IoT aliada à IA proporcionará um outro grande salto de produtividade na indústria, assim como a automação industrial e os sistemas de informação proporcionaram na fase 3.0.

A Internet das Coisas cooperando com o meio ambiente e os trabalhadores

Outro impacto positivo da IoT na Indústria 4.0 se dará no campo da sustentabilidade. Todas as empresas, em especial na indústria de transformação, têm sentido o peso das expectativas do mercado, da sociedade e dos investidores nessa temática. Anteriormente tinha-se a ideia de que a eficiência operacional só poderia ser alcançada às custas da sustentabilidade, porém hoje tem-se a percepção cada vez mais clara de que a digitalização é uma aliada de suma importância na busca pelo desenvolvimento sustentável.

A quantidade enorme de dados que geramos e que atualmente pode ser processada pelas novas técnicas de Data Science e novas tecnologias de Inteligência Artificial permitem reduzir o impacto ao meio ambiente, otimizando o uso de recursos naturais. Elas também vêm para aumentar a segurança das pessoas que precisam trabalhar em ambientes complexos devido ao uso cada vez maior da IA e robotização. Dessa forma, as tecnologias de IoT, IA e Realidade Aumentada potencializam as pessoas dando capacidades expandidas ao trabalhador da era da Indústria 4.0, permitindo que trabalhem de uma forma mais segura, confortável e reduzindo perdas causadas por erros humanos. Ou seja, a Internet das Coisas pode ser uma grande aliada do meio ambiente e dos profissionais nas indústrias, e não uma ameaça.

Leia também: Indústria de Processo: do início do projeto até a digitalização

A Pöyry segue olhando para o futuro

É de se esperar que, assim como não conseguimos imaginar as nossas vidas sem a internet (experimente ficar sem internet por algumas horas), daqui a alguns anos, o mesmo ocorrerá em outras áreas, como no mundo industrial.

Nadando nessa corrente, a área de Serviços de Digitalização (Smart Site) e Transformação Digital da Pöyry, empresa europeia líder em engenharia, conta com um time multidisciplinar de consultores e especialistas com expertise aplicada a diversos tipos de serviços digitais com foco na Indústria 4.0. Assim como em soluções digitais próprias, reunidas sob o conceito do Smart Site Technologies. A Pöyry usufrui ainda de centros avançados de pesquisa e desenvolvimento de soluções para a Indústria 4.0 na Finlândia e Suécia, com equipes de profissionais especialistas em tecnologias que incluem Internet das Coisas, Analytics, Inteligência Artificial (IA), Simulação e Robótica.

Making Future