Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Rectangle 212 + Rectangle 212 + Rectangle 212 Created with Sketch. Slice 1 Created with Sketch Beta. > Slice 1 Created with Sketch Beta. > Slice 1 Created with Sketch Beta. > Slice 1 Created with Sketch Beta. > Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Twitter Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta. Slice 1 Created with Sketch Beta.

3 Jul 2020

Dicas para a análise de viabilidade

Não há produção sem projeto - e não existe empresa grande ou pequena demais que não se faça valer de todas os momentos desta etapa. Sobretudo quando pensamos na análise de viabilidade que, calculada sobre o montante total do investimento, projeta, ao longo do tempo, o lucro.
“Pode parecer muito óbvio, mas existem muitos erros básicos na hora de pensar sua planta”, comenta Celso Paulo de Camargo Neves, consultor em engenharia de custo, referindo-se à etapa de Capex. Falhas ou incongruências neste planejamento influenciam diretamente nos projetos Opex.

Em Capex
Celso relembra as etapas básicas para evitar falhas na hora de traçar o seu investimento. Ao considerar o exemplo de uma nova planta - como uma fotografia estática do que queremos com o resultado do investimento - falamos, neste primeiro momento, em Capex:

1. Data, câmbio e moeda
O primeiro pilar de um bom planejamento, Celso pontua, é a delimitação de uma data-base. Isso porque ela influenciará diretamente na taxa de câmbio. “Se eu disser que preciso comprar um equipamento x no valor de US$50 mil, por exemplo, preciso saber em qual data ele vale este preço”, pontua. Assim, é preciso estar muito atento no período entre o planejamento e a ação. Por fim, é preciso delimitar qual moeda será adotada - geralmente, real, dólar, euro ou coroa sueca.

2. Custos diretos, indiretos e de contingência
O segundo passo para dar continuidade ao planejamento é delimitar os custos - diretos, indiretos e de contingência, por meio do escopo de fornecimento.
Nesta etapa, devemos nos perguntar o que está incluso dentro do maquinário necessário. No mesmo exemplo do equipamento a US$50 mil, por exemplo, muito provavelmente o valor do frete, da importação e outros impostos não estão inclusos. Eles devem ser considerados, assim como os gastos com montagem, construção e distribuição. Aqui, temos os custos diretos.

Por fim, é necessário considerar toda a engenharia da compra, montagem e, principalmente, gerenciamento, isto é, o que é necessário para manter o equipamento funcionando. Este custo corresponde aos gastos indiretos do planejamento.

“Já a contingência é tudo aquilo que eu desconheço”, pondera Celso. O ideal é que seja uma curva descendente: quanto mais conheço o equipamento e a operação, mais previsíveis os custos serão.
O resultado destas duas etapas, que requerem atenção e preciosismo, é uma porcentagem de viabilidade que denota o quão certeiro o projeto será.

Análise de viabilidade de projetos de Opex
A partir destes números “fixos”, “previsíveis”, insere-se os “números dinâmicos”, comenta Celso. São os custos com matéria prima, fornecedores e outros gastos com produção que farão um projeção da viabilidade a longo prazo - aqui, não falamos mais numa imagem estática, mas numa previsão flexível, maleável - e adentramos nos projetos de Opex.

Paula Seki, gerente de análise de custo da Pöyry, lembra que depois que o investimento sai do papel e entra em ação, “você faz uma série de cálculos com variáveis que dirão o quão vantajoso economicamente o investimento é. Essa é a análise de viabilidade econômica”. Isto é, com um bom projeto inicial, considerando sempre as alterações monetárias de acordo com a data-base, é possível aplicá-lo e usá-lo como insumo para projetos pontuais de Opex - “seja para um desgargalamento onde você aumente a produção, ou uma mudança operacional para reduzir custos, para agregar valor ao produto por meio de uma produção alternativa que ofereça um resultado diferenciado, ou até mesmo manutenções necessárias”, comenta Paula.

Uma boa análise de viabilidade também surge como fator decisivo na hora de escolher a melhor solução para uma questão operacional pontual. “Quando você tem diferentes opções, você precisa comparar e chegar à melhor decisão financeira. A análise de viabilidade te dá essa solução”, atenta Paula, que lembra que não existe distinção de tamanho de empresas que necessitem desse tipo de serviço - a final de contas, todos precisam de soluções inteligentes e rentáveis.

A Pöyry também pensa assim. Para nós, não existem projetos pequenos demais. Seja com nossos projetos de Capex ou Opex, a excelência dos nossos serviços é a mesma quando se trata de engenharia de projetos.

Para saber mais sobre como o Opex funciona, entre em contato com nosso setor especializado.